A Arte da Guerra de Sun Tzu - Uma leitura necessária

Título: A Arte da Guerra
Título original: 孫子兵法; (Estratégia militar de Sun Tzu)
Autor: Sun Tzu
Editora: Madras
Ano: 2007
Páginas: 123
Nota Pessoal: 3/5

Sinopse:
A Arte da Guerra é um dos maiores tratados de estratégia de todos os tempos. Um livro útil para o homem de negócios, militar, ou para qualquer pessoa empenhada em vencer na vida. Escrito pelo general chinês Sun Tzu, a partir do resultado de sua experiência em suas campanhas, que foram as mais variadas.



Já passei um quote da semana por aqui sobre o livro A Arte da Guerra. A verdade é que, como diz o título do artigo, a melhor palavra para definir a vontade de ler e conseguir entender A Arte da Guerra é que essa é uma leitura necessária.

Necessária no sentido de ser obrigatória para qualquer pessoa que estuda ou já estudou sobre empreendedorismo e assuntos relacionados.

Confesso que não foi uma leitura fácil, apesar da quantidade mínima de páginas. Um livro de 123 páginas deveria ser lido em um dia, sem dúvidas, mas não foi assim. Eu não quis que fosse assim. Decidi que iria me dedicar, entender, anotar, pesquisar. E quando mais a leitura foi ficando difícil, mais eu decidi me empenhar.

O resultado, um bom entendimento e a certeza de que esse é um livro com "data de validade".

Sobre o livro


A Arte da Guerra foi escrito no século IV a.C. por Sun Tzu. General, estrategista e filosofo chinês. Nascido em 544 a.C. morreu aos 48 anos de idade (mais informações sobre o autor, clique aqui).

O livro é dividido em 13 capítulos que são escritos para nos fazer compreender as estratégias de guerra e busca nos ensinar o que é preciso para sempre alcançar a vitória. Os capítulos são:

Capítulo 1 - Planejamento Bélico
Analisa os cincos elementos estratégicos que definem o posicionamento competitivo (missão, clima, solo, liderança e métodos) e como avaliar os seus pontos fortes competitivos em face do oponente.

Capítulo 2 - Empreendendo a Guerra 
Explica o fundo econômico da competição e como o sucesso requer despesas compatíveis, o que, por sua vez, requer a limitação dos custos da competição e do conflito.

Capítulo 3 - Vencer antes de Lutar 
Indica como causa da força a união, não o tamanho, e os cinco componentes necessários para ter sucesso em toda situação competitiva.

Capítulo 4 - Disposições das Tropas 
Explica a importância da defesa das posições existentes até o momento de avançar a partir delas e como se deve reconhecer as oportunidades, não tentar criá-las.

Capítulo 5 - Forças Normais e Extraordinárias
Analisa o uso da criatividade e do oportunismo na criação do impulso competitivo.

Capítulo 6 - Ação Ofensiva
Explica como suas oportunidades surgem de aberturas no ambiente, causadas pela relativa fraqueza dos seus oponentes em uma determinada área.

Capítulo 7 - Manobras Estratégicas
Explica os perigos do conflito direto e como vencer nesse tipo de confronto quando se é forçado a enfrentá-los.

Capítulo 8 - Nove Circunstâncias
Preocupa-se com a necessidade de flexibilidade nas reações. O capítulo explica como reagir satisfatoriamente às mudanças de situações.

Capítulo 9 - Marchas e Topografia
Comenta as diversas situações durante as mudanças para cenários competitivos diferentes e como reagir a cada um deles. Boa parte trata da avaliação das intenções dos outros.

Capítulo 10 - Características do Terreno
Considera as três vertentes da resistência em geral (distância, perigos e barreiras) e os seis tipos de posições no terreno que derivam delas. Cada uma dessas seis posições no terreno oferece determinadas vantagens e desvantagens.

Capítulo 11 - Territórios de Luta
Comenta sobre os territórios de uma campanha competitiva, desde o irregular até o mortal, a preocupação necessária para se deslocar satisfatoriamente em casa uma delas.

Capítulo 12 - Recursos Pirotécnicos 
Explica o uso de armas em geral e o usa do ambiente como uma arma especificamente. Analisa os cinco alvos de ataque ambiental e as reações adequadas a esse tipo de ataque.

Capítulo 13 - Agentes Secretos
Preocupa-se com a importância de desenvolver boas fontes de informações, especificamente os cinco tipos de fontes e como administrá-los.

Esta edição da Madras em particular está muito bem cuidada e com um capricho impar. Trazendo textos complementares e explicações extras em cada capítulo. O que facilita bastante o entendimento do texto. Além de uma capa linda e um excelente acabamento.

Tem idade e tempo para tudo



Tenho que confessar, quando terminei a leitura do livro, tive certeza de que essa era uma leitura que eu devia ter feito a 5 anos atrás, quando eu estava completamente viciado em empreendedorismo e devorava tudo o que podia sobre o tema.

Meu instrutor em um curso sobre empreendedorismo no Sebrae na época me indicou esse livro, um amigo empreendedor me indicou esse livro. Li resenhas sobre ele e fiquei interessado, mas... fui deixando o tempo passar, sempre com essa vontade, essa necessidade.

O grande problema é que mesmo tendo em mente que esse é um livro de ensinamentos, um livro para você estudar e aprender, ele não conseguiu me prender. E olha que isso não é difícil, já que sou fã de tudo que se relaciona com empreendedorismo, estratégias de negócios, etc.

Devo confessar que bate uma certa inveja de quem diz que o livro é fácil de ler e que o tema abordado é muito interessante, que te prende e outras coisas. O tema é interessante, sem dúvida alguma. E o livro é escrito de tal forma que você quer realmente terminá-lo. O que é um dos pontos principais para se avaliar um bom livro.

O grande problema aqui é que a leitura se torna cansativa e você precisa estar muito "no clima" para conseguir se concentrar e não se perder em pensamentos durante a leitura. Até por isso, fui parando, "digerindo" e tentando compreender tudo, um dia após o outro.

Tirando algumas frases que são passadas como ensinamentos e que realmente cumprem esse papel, dificilmente voltaria a ler A Arte da Guerra.

Posso dizer que cumpri meu papel e paguei a "dívida" que tinha comigo mesmo e com todas as pessoas que já me indicaram esse livro, mas sinceramente: Li, entendi, guardei o que precisava e só!

Hoje eu posso entender melhor as frases e citações que tanto vejo por aí e consigo por muitas vezes me colocar como personagem principal de todas essas histórias, mas eu acho que um livro precisa passar uma sensação muito maior quando você o termina, de que um mero "monte de frases".

Provavelmente o fato de ter outra mente hoje e me interessar por outros assuntos, influenciou minha leitura. E é certo que se tivesse lido A Arte da Guerra quando estava estudando sobre negócios e em como ganhar dinheiro, pensando em como ficaria milionário de um dia para o outro, seria perfeito. Mas hoje, foi uma leitura necessária. Sem mais.

Comentários