007 Contra Spectre: Um filme bom, mas que poderia ter sido melhor

Título: 007 Contra Spectre
Título original: Spectre
Direção: Sam Mendes
Ano: 2015
Duração: 148 minutos
Nota pessoal: 4/5

Sinopse:
James Bond (Daniel Craig) vai à Cidade do México com a tarefa de eliminar Marco Sciarra (Alessandro Cremona), sem que seu chefe, M (Ralph Fiennes), tenha conhecimento. Isto faz com que Bond seja suspenso temporariamente de suas atividades e que Q (Ben Whishaw) instale em seu sangue um localizador, que permite que o governo britânico saiba sempre em que parte do planeta ele está. Apesar disto, Bond conta com a ajuda de seus colegas na organização para que possa prosseguir em sua investigação pessoal sobre a misteriosa organização chamada Spectre.

Então chegamos ao vigésimo quarto filme da franquia James Bond e um ciclo que se fecha!

Quem viu Casino Royale se lembra que foi lá que James Bond adquiriu o estátus de "00" ou seja, foi um filme que desconstruiu completamente o personagem.

Com os dois filmes seguintes, 007 Quantum of Solace e 007 Operação Skyfall, temos algumas questões que ficam sem resposta. E em 007 Contra Spectre, finalmente essas respostas são dadas.








Trailer:



Crítica

O filme tem sequências de ação que são muito bem executadas, limpas com planos abertos. Trazendo cenas de lutas que são muito boas, simples, diretas, bem ao estilo dos filmes de espionagem dos últimos tempos.

Contando com locações fantásticas como Áustria, Cidade do México, Londres, Marrocos e Roma o filme nos faz viajar literalmente. O que é um ponto extramente positivo.

E para quem curte cenas de carro, como já é de se esperar, 007 Contra Spectre, conta com cenas magníficas. Mais uma vez em um Aston Martin, vemos o agente em cenas simplesmente perfeitas.

Já o roteiro deixa a desejar, principalmente por não se aprofundar tanto no passado de James Bond e não se preocupar em questionar a necessidade da existência de um 00 hoje em dia.

Outro ponto negativo é a trilha sonora, que mais uma vez, assim como em Skyfall é fraca e não chega nem aos pés dos filmes mais antigos da série.

Daniel Craig, nosso 007, continua muito bem e me arrisco a dizer que esse é o filme em que ele está mais a vontade interpretando o Bond.

Infelizmente, outros personagens, como a Bondgirl, que nesse caso ficou por conta da atriz francesa Léa Seydoux, não lembra nem de longe algumas das lendárias bondgirls de outros tempos. No mínimo esquecível.

Do filme em si

No começo do filme temos cenas que motram as mudanças que aconteceram depois do que houve em Skyfall. Além de trazer James Bond como um agente problema após ter causado grandes estragos em uma perseguição na Cidade do México. Perseguição essa que ele não estava autorizado a fazer.

Após sua volta a Londres, Bond é confrontado por M, ordenando que seja colocado em sua corrente sanguínea um chip para que o MI6 sempre saiba onde ele está.

E o filme se passa com Bond descobrindo que está muito mais perto de descobrir uma misteriosa organização chamada Spectre, que está muito mais próxima dele do que ele imagina.

O filme como um todo não é ruim, longe disso, mas de um modo geral nós temos um roteiro que deixa muito a desejar, principalmente não explorando os atores como deveria.

Por exemplo, o vilão do filme, Frans Oberhauser, interpretado por Christoph Waltz. Na primeira vez que aparece dá a impressão de que será muito maior do que realmente é. O personagem simplesmente não funciona! E não é o único!

Além disso, o final do filme é simplesmente uma bagunça! Deixando muito a desejar. Sem contar a decepção de ver a Mônica Bellucci apenas por cinco minutos...

No final das contas, eu acho que podemos dizer que esse filme não é o melhor, mas também não é o pior da franquia. É um filme mediano que poderia ter sido muito mais bem aproveitado, tanto em matéria de roteiro, quanto se tratando dos atores em geral.

Confesso que esperava muito mais, por isso fiquei com essa impressão de um filme bom, mas que poderia ter sido melhor. Mas acredito que os fãs mais antigos da série não vão se decepcionar. Por isso uma nota 4 de 5.

Comentários